Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

IV Festival Luís Fagundes, em tom morno...

As lides e as pegas do IV Festival Luís Fagundes não tiveram o impacto suficiente para aquecer a noite fria que se sentiu em Angra do Heroísmo,...
12 de Abril de 2011 - 08:21h Crónica por: - Fonte: - Visto: 1251
IV Festival Luís Fagundes, em tom morno...

As lides e as pegas do IV Festival Luís Fagundes não tiveram o impacto suficiente para aquecer a noite fria que se sentiu em Angra do Heroísmo, no passado dia 8 de Abril. Apesar de se tratar do primeiro espectáculo do ano no redondel angrense e tendo em conta que a época agora começou para os intervenientes, muito do que se viu ficou aquém das expectativas.

Rui Lopes andou uns furos abaixo daquilo que demonstrou na época passada. Com o primeiro do seu lote andou demasiado sóbrio. A pouca ligação que parecia mostrar com as montadas e a consequente falta de transmissão desta para o toiro, fizeram com que tivesse uma primeira prestação sem história, não tirando partido da matéria-prima que tinha pela frente. O segundo do seu lote mostrou-se desligado e distraído e obrigou-o a ser mais trabalhador. Após deficiente colocação dos compridos, o cavaleiro foi subindo o nível ao longo da cravagem curta, deixando alguns momentos de boa nota. Novamente demonstrou dificuldades na escolha de terrenos. No seu último toiro assistiu-se a um misto das duas lides anteriores. Uma lide com altos e baixos. O exemplar da Casa Agrícola José Albino Fernandes parava-se no momento da reunião. Não esteve bem na cravagem comprida. A destacar a cravagem de 3 bons ferros curtos e de um de palmo com que encerrou a lide.

Juan Cordero, que se encontrava a debutar em praças nacionais, iniciou a sua primeira lide com uma brega auspiciosa, para depois borrar a pintura com um paupérrimo ferro comprido à meia volta. O oponente prestava-se à luta, mas o rejoneador espanhol andou um pouco desencontrado nesta sua primeira lide. No segundo, 4º da ordem, andou melhor. Na cravagem curta esteve bem na escolha de terrenos executando cravagens de frente e de boa nota. O último do seu lote da ganadaria de Rego Botelho mostrou bons modos. Uma vez mais assistiu-se a uma cravagem comprida a despachar "à rejoneador". Na cravagem curta, Cordero não comprometeu, conseguindo por momentos chegar às bancadas com algumas cravagens muito correctas.

As pegas estiveram a cargo do Grupo de Forcados Amadores de Arronches e Amadores do Ramo Grande. Destaque pela positiva para a pega efectuado ao 5º da ordem pelo grupo de Arronches. O forcado da cara é levado pelo grupo dentro e aguenta os derrotes junto às tábuas até que o grupo se fechou. Pela negativa as pegas realizadas pelos Amadores do Ramo Grande ao 4º e ao 6º da ordem. As pegas não se realizaram à primeira tentativa mercê das dificuldades técnicas demonstradas pelos forcados da cara.

O curro saiu relativamente homogéneo de comportamento. Destaque para o comportamento do primeiro da ordem da ganadaria de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues, lidado por Rui Lopes. Abaixo da média esteve o 3º da noite, de João Cardoso Gaspar, lidado igualmente pelo cavaleiro terceirense. Ao nível da apresentação, nota positiva para os exemplares de Duarte Pires (2º da noite) e de João Gaspar (4º da noite), ambos lidados por Juan Cordero.

Nota final de incompreensão para o facto de, apesar de Juan Cordero ser aquele com mais tempo de alternativa, foi Rui Lopes quem abriu praça.

Após o festival, saíram à arena duas novilhas que serviram para a apresentação ao público do Grupo de Forcados Juvenis do Ramo Grande.

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2018 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.