Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

A Terceira de Barrancos

Depois de uma faena sem história, Vítor Mendes pôs o ponto final à feira de Barrancos com uma estocada gigantesca
31 de Agosto de 2011 - 22:54h Crónica por: - Fonte: - Visto: 1376
A Terceira de Barrancos

        Nesta última corrida das tradicionais festas de Barrancos aguardava nos curros mais um eral da ganadaria de Couto Fornilho que saiu bem apresentado mas bruto e com pouca fijeza. Actuava o Maestro Vítor Mendes – duas orelhas – que foi homenageado, no inicio da corrida, devido à sua iniciativa na defesa da tradição dos toiros de morte em Barrancos e pela ajuda na organização dos festejos do presente ano.  

        Este último Couto Fornilho do ano de 2011 em Barrancos, um negro nascido em 2009, desde cedo mostrou que não estava ali para facilitar a tarefa de Vítor Mendes. Depois de se fixar nos capotes, tarefa que não foi fácil, quando neles metia a cara ficava curto e pegava derrotes. O Maestro ofereceu gentilmente um par de bandarilhas a Tiago Santos que, tal como tinha feito na sua actuação da tarde anterior, cravou com grande poderio, arrancando uma forte ovação! Mendes cravou o segundo par também ele bastante bem conseguido mas na saída da reunião sofreu uma aparatosa colhida contra o tabuado barranquenho, felizmente sem consequências. Da faena de muleta pouco de positivo há para assinalar. Vítor Mendes nunca conseguiu transformar a complicada investida do Couto Fornilho em toureio, chegando mesmo a ser por ele desarmado algumas vezes. Ao Maestro faltou-lhe firmeza para dar a volta às dificuldades apresentadas pelo Couto Fornilho, que verdade seja dita, também não ofereceu grandes possibilidades de triunfo. No final, quando o Maestro já parecia ter a batalha vencida e se esperava uma série com ligação e profundidade, o toureiro abreviou a faena com uma extraordinária estocada. Novilho com as mãos juntas e enquadrado com o matador, Mendes coloca-lhe a muleta à frente dos olhos e aponta ao centro da cruz, local onde introduz toda a espada depois de o novilho, ao toque seco da mão esquerda de Mendes, lhe descobrir “toda a morte”. Teve de descabellar, mas depois deste estocadão pouco importa. Duas orelhas.   

        No final houve uma vaca, também de Couto Fornilho, para os curiosos.            

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2018 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.