Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

António Prates é o Primeiro Triunfador da Feira da Moita 2011

Num festival taurino de grande qualidade e com a casa a receber um bom número de espectadores
13 de Setembro de 2011 - 01:00h Crónica por: - Fonte: - Visto: 2664
António Prates é o Primeiro Triunfador da Feira da Moita 2011

Começou da melhor forma, a mais importante e maior feira taurina de Portugal. Integrada nas festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem, o Festival Taurino da Juventude arrancou a Feira da Moita 2011, com a casa com um bom número de espectadores, onde Jacobo Botero revelou ter agradáveis pormenores e onde António Prates confirmou, mais uma vez, ser um valor de futuro com o qual se terá que contar.

Os novilhos foram de grande qualidade, quer os de Conde Cabral, como os de José Lupi.

David Oliveira desenvolveu uma lide com altos e baixos e de ferros à tira, mostrando ter pormenores de toureio clássico, com verdade e gosto pela colocação ao estribo. O primeiro comprido resultou algo descaído e serviu somente para fixar um novilho que dispersava a sua atenção. O segundo resultou um pouco traseiro. Rectificou as colocações com o terceiro comprido novamente à tira. Nos curtos, bem a bregar e a pôr o toiro em sorte, para à tira colocar dois ferros ao estribo, de alto a baixo e bem na cruz. O problema, é que a partir daqui o novilho já conhecia a viagem e encurtou o caminho para os ferros seguintes, levando David Oliveira a falhar o terceiro curto para posteriormente ao terminar a lide, sofrer um empurrão no momento da reunião. No final, recusou-se inicialmente a dar uma volta a arena mas as bancadas não permitiram tamanha desfeita, ficando no ar que o grau de exigência que incute a si mesmo é elevado e isso é de louvar.

António Prates recebeu um novilho cheio de vontade, que perseguiu na garupa e com codicia, com o cavaleiro a demonstrar controlo total na montada e gestão perfeita da concessão das velocidades, estando novilho e cavaleiro sempre ligados. Citou de frente para o primeiro comprido, que colocou bem na cruz. O segundo teve o mesmo desenho de sorte mas resultou descaído, num novilho com um excedente de interesse, sempre fixo e com muita transmissão. Nos curtos, passou com um quiebro em falso para depois colocar com novo quiebro, em plenos terrenos do novilho, deixando a praça em “olés” e a banda a iniciar serviço. Após passar em falso, coloca dois ferros iguais ao anterior descrito e uma brega de valor. Mudou de montada e de frente num cite terra a terra, colocou dois ferrros que levantaram as bancadas a aplaudir com gosto, enquanto efectuava uma pirueta nas barbas do oponente. Terminou a lide com um fero de palmo. Foi o triunfador da tarde.

David Gomes foi à porta gaiola buscar um novilho que entrou a pedir contas. Colocou um pouco descaído o primeiro comprido, levando um empurrão contra as tábuas enquanto efectuava o remate. O segundo comprido resultou ainda mais traseiro. Um novilho que espalhava presença em praça, era andarilho e incómodo, David Gomes passou em falso para depois colocar o primeiro curto aos estribo e bem assente na cruz. O segundo comprido foi colocado muito tempo depois, pois o novilho não lhe dava descanso. Mudou de montada e coloca o seu melhor ferro, à tira, bem ao nível do estribo e de cima para baixo e novamente na cruz. Terminou a lide com um ferro de palmo, que resultou algo traseiro.

Jacobo Botero teve dois momentos diferentes na sua lide. Se nos compridos esteve muito regular mas pouco exuberante e algo tímido a interagir com as bancadas, alterou e de que maneira a sua prestação nos curtos. O primeiro e o segundo ferros, foram colocados com cites terra a terra, com largura de praça, a esperar pelo arranque do novilho, executados ao piton contrário e de cima a baixo. Falhou o terceiro ferro para de seguida e após rectificar, sofrer um empurrão no remate. Mudou de montada e sacou “olés” da bancada, ao cravar dois ferros com quiebros emocionantes e em sortes muito carregadas. Sofreu um enorme empurrão que quase o desmontava mas aguentou-se para terminar uma lide de menos a mais, ou melhor, de regular a muito mais.

João Rodrigues recebeu à verónica num quite vistoso. Colocou três pares de bandarilhas, com muita verdade e frontais, destacando-se o primeiro bem na cara do novilho e com óptima colocação. Na muleta, levou o novilho para os médios onde executou uma série de derechazos templados. As séries seguintes não tiveram o mesmo brilho, apesar de bons momentos. Ainda desenhou uma curta série de naturais, sem o mesmo resultado que as que executou pela mão direita. Terminou a lide com um magnífico passe de peito após uma série pela mão direita. Simulou a estocada, que resultou na barriga do novilho.

Fábio Cristóvão mostrou estar menos maduro que o seu companheiro da Escola de Toureio e Tauromaquia da Moita. Empenhou-se, no capote e na muleta, e com um novilho que apresentou uma investida mais desconjuntada que os anteriores, não conseguiu sacar faena. Simulou a receber.

 

O Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita, apresentou um conjunto de futuras promessas, que depois deste festival taurino, com quatro pegas à primeira tentativa, mostraram estar mais do que à altura de perpetuar a condição excepcional que o grupo que representam detém.

Pedro Gonçalves, conhecido por “El Loco” no grupo, viu o novilho partir a passo mas empregar-se assim que se aproximou do forcado, que reuniu à córnea e de imediato acoplou-se de pernas, numa viagem limpa de encontro ao grupo, que consumou de pronto.

João Coelho efectuou limpa e bela pega à primeira tentativa. Num cite muito bonito, com o novilho a arrancar a mando, fechando-se à barbela, aguentando os derrotes e com o grupo a consumar sem problemas.

António Coelho efectuou o cite mais bonito da tarde, silencioso e a mostrar-se, mandou no toiro que arrancou com muita pata. Fechou-se à córnea e na viagem o novilho dobrou-se no seu lado esquerdo, caindo com o forcado na arena, para depois aparecer, célere e pronto, o grupo para consumar.

João Ventura também efectuou um limpo e bonito cite, também silencioso e sem exagerada exuberância, mandou partir o novilho que obedeceu de imediato, fechando-se à córnea e com um fabuloso primeiro ajuda, que não permitiu que João Ventura saísse da cara.

No final, saíram duas bezerras para os alunos da Escola de Toureio e Tauromaquia da Moita, algo que já tinha sido feito na feira de Maio, estando por isso a empresa Toiros e Tauromaquia de parabéns pela aposta.

Primeira da feira taurina da Moita

Reportagem fotográfica do primeiro espectáculo da feira taurina da Moita do Ribatejo.
13 de Setembro de 2011 - 22:00h Galeria fotográfica por: Arsenio Franco - mais fotos em WWW.ARSENIOFOTOGRAFIA.SMUGMUG.COM
Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita Primeira da feira taurina da Moita
Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2018 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.