Sábado, 15 de Dezembro de 2018
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

Morante e o incidente das "gafas"

Morante de la Puebla oferece par de óculos ao presidente que lhe negou uma saída em ombros ao nao conceder a segunda orelha.
26 de Junho de 2012 - 21:39h Crónica por: - Fonte: - Visto: 1207
Morante e o incidente das

Escolheram-se de 25 toiros de “Zalduendo”, apenas 8 que seriam levados à arena de “Alacant”, Alicante para aqueles menos treinados nestes regionalismos do país vizinho.

Toureavam José António Morante, César Jiménez e Alexandro Talavante que ocupou o lugar de Julián López “El Juli” a contas com uma lesao, dada a colhida sofrida por este nas “Fiestas del Señor de Granada”.

José António Moranta de La Puebla, acostumou-nos a todos, a uma certa interpretaçao e profundidade artistica no seu toureio e postura de “tourería”, apelidando-o mesmo alguns conhecedores e interpretes da festa, como um autêntico poeta das arenas.

José Hierro (poeta español do século XX) disse que “a poesia deveria ser música” e o poeta Bergamín disse que o toureio “è como música surda”.

Morante è sem dúvida um dos grandes instrumentistas dessa música, utilizando como instrumentos, os braços, as maos e as ancas e o próprio toiro, peça fundamental no concerto taurino.

À parte do incidente das “gafas”, a “virilidade” deste Maestro ( adjectivo  também utilizado por alguns para qualificar a postura e conhecimento de José Mourinho, dada a sua enorme auto-confiança demonstrada a cada passo), levou a que pedisse ao moço de espadas, por empréstimo e momentânamente, esse objecto para ver melhor, ofereçendo essas lentes ao presidente, “bromeando”, uma vez negada a segunda orelha e a respectiva saída em ombros.

Recebeu o primeiro com o seu magnifico capote, dando verónicas belas e profundas, fez o quite como “Chicuelo”, com cadência e traçando compassadamente os lançes como só o seu lápis sabe desenhar.

Com a muleta esboçou passes gostosos, saborosos e breves, transbordando um toureio solvente, fazendo autênticamente como que “parar os relógios”.

Sem ruído, toureou o segundo toiro, com a muleta “fazendo carícias ao toiro” e com armonia, densidade e cadência seguiu até ao final.

Seguimos com toda a atençao, cada passe deste “Maestro” que por vezes è mal interpretado por aqueles que preferem, a quantidade à qualidade. 

 

Fontes: El Mundo-Toros

 

 

 

 

 

 

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2018 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.