Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

Segunda (GRANDE) Corrida das Festas da Praia

Se qualquer um dos presentes na Monumental Praça de Toiros ?Ilha Terceira? tinha alguma espécie de dúvida existencial em relação à sua afición, a grande corrida a que se assistiu encarregou-se de a desfazer
09 de Agosto de 2017 - 01:30h Crónica por: - Fonte: Taurodromo.com - Visto: 68
Segunda (GRANDE) Corrida das Festas da Praia

Se qualquer um dos presentes na Monumental Praça de Toiros “Ilha Terceira” tinha alguma espécie de dúvida existencial em relação à sua afición, a grande corrida a que se assistiu encarregou-se de a desfazer. O que se passou na tarde de 7 de Agosto de 2017 foi um daqueles espectáculos que fazem aficionados. Sem dúvida uma das melhores a que já se assistiu no redondel angrense.

Comemoraram-se os 10 anos de existência do Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande. Despediu-se o Cabo-fundador Filipe Pires que, no início do festejo, foi agraciado pela Câmara Municipal da Praia da Vitória com a Medalha de Prata de Mérito Cultural.

O curro (e que curro!!) era da ganadaria de António Silva. Imponentes, sérios, nobres, com tranco e a pedir contas aos Cavaleiros Luís Rouxinol, Tiago Pamplona e João Moura Jr. Destaque para os exemplares lidados em 5º e 6º lugar. A ganadera foi chamada à praça (e bem!) por duas vezes.

Luís Rouxinol abriu com uma lide regular, frente a um oponente (AS, nº3, 518Kg) com muita mobilidade e entrega. Esteve bem na preparação das cravagens, mas a evidente falta de rodagem das montadas que trouxe à ilha Terceira não possibilitou que a lide rompesse para um patamar de triunfo. Com o segundo exemplar de António Silva (nº22, 520Kg) trouxe ao de cima toda a sua veterania e tirou partido da nobreza e da entrega do toiro. Andou sempre ligado e por altura do 5º ferro curto, que cravou de forma irrepreensível, já o público era seu, com todo o mérito! Terminou em apoteose com um violino e um ferro de palmo de levantar praça.

Tiago Pamplona esteve triunfal em ambas as lides. O exemplar nº 32 (AS, 476Kg) era sério e tinha ímpeto, pecando apenas por se adiantar um pouco à montada. Teve duração e investiu sempre a galope. De tal facto, tirou partido o Cavaleiro que rubricou uma boa lide, mostrando-se entendedor e bregando de forma eficaz e muito cingida, transmitindo emoção. Destaque para o grande ferro com que encerrou. O segundo do seu lote era bravo da ponta dos pitons à extremidade da cauda. Um toiro sempre em crescendo de comportamento, com tranco e a cobrar do toureiro. Daqueles toiros que separam os verdadeiros toureiros daqueles que pensam que o são. Uma vez mais o Marialva do Posto Santo esteve por cima! Muito correcto na preparação das sortes, executou vistosos terra-a-terra nos cites para depois cravar a gosto e a preceito. É pena que exista tanto mar entre o território continental e a ilha Terceira. Caso contrário Tiago Pamplona andaria a competir nos principais carteis.

João Moura Jr. esteve a bom nível diante do nº17 (AS, 488Kg). O toiro entregou-se sem complicar. Moura Jr. andou bem na brega e corretíssimo nas cravagens. Lidou a gosto um bom exemplar. Pena que, sem culpa alguma do Cavaleiro, numa das cravagens o ferro tenha batido noutro já colocado e após ter caído na arena, tenha ficado cravado na pá do toiro, o que induziu algum do público em erro. Tal facto fez com que parte da assistência se tivesse retraído, amornando o ambiente da lide. O segundo do seu lote tinha muita, mas muita classe. Nobre e encastado, entregou-se à lide por inteiro. Moura Jr. mostrou todo o valor do apelido que carrega e agarrou, também ele, o triunfo. Andou cingido nas bregas com galope a duas pistas e ferro após ferro foi levando os tendidos ao rubro. Terminou com a assistência em delírio após cravagem de três palmitos seguidos e em circular.

Mas a tarde era dos Amadores do Ramo Grande. Muitos foram os que estiveram fardados na arena. Antigos e actuais elementos do “grupo da Praia”. Neste dia de aniversário, Filipe Pires passou a chefia do grupo a Manuel Pires, após a pega ao 5º toiro. O dia era, como é normal, agridoce. O público juntou-se à festa e honrou o GFARG, ajudando assim a amenizar o amargo da despedida. Antes, estiveram na cara dos toiros Luís Valadão que se fechou à segunda com garra e querer, depois de na primeira tentativa o toiro ter tirado a cara no momento da reunião. Daniel Brasil esteve eficaz e fechou-se à primeira com valentia. Carlos Silva corrigiu a forma de trazer o touro toureado e fechou-se à segunda numa boa pega a mostrar vontade. Alex Rocha, à primeira, mostrou todas as suas qualidades e efectuou uma grande pega. Na sua última pega, antes de assumir a chefia do grupo, Manuel Pires esteve de novo enorme. Foi levado contra as tábuas e aguentou horrores até que o grupo se recompusesse do embate violento. Desta pega, o ainda Cabo, Filipe Pires saiu com um corte na têmpora direita. César Pires fechou a corrida com uma boa pega à primeira, aguentado uma viagem difícil.

O espectáculo foi dirigido com sapiência por Rogério Silva, sendo assessorado por José Paulo Lima. Abrilhantou, de forma superior, a Banda da Sociedade Filarmónica Espírito Santo da Agualva, dirigida pelo Maestro Hélder Lourenço.

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2017 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.