Terça-feira, 20 de Novembro de 2018
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

Em Defesa da Festa de Toiros, pela Liberdade e pela Democracia

A Associação de Tertúlias Tauromáquicas de Portugal (TTP), saúda os Deputados que, em esmagadora maioria na Assembleia da República, votaram contra propostas de Lei apresentadas pelo PAN, pelo BE e pelo PEV que muito lesariam a Festa de Toiros.
28 de Julho de 2016 - 00:27h Notícia por: - Fonte: Taurodromo.com - Visto: 468
Em Defesa da Festa de Toiros, pela Liberdade e pela Democracia

A Associação de Tertúlias Tauromáquicas de Portugal (TTP), representante de milhões de portugueses que gostam da Festa de Toiros nas suas mais diversas manifestações (na rua em festejos populares, ou nas Praças de Toiros), saúda os Deputados que, em esmagadora maioria na Assembleia da República, votaram contra propostas de Lei apresentadas pelo PAN, pelo BE e pelo PEV que muito lesariam a Festa de Toiros.

Foram “chumbados” no Parlamento Projetos de Lei que visavam, no imediato, impedir os jovens de se iniciarem na aprendizagem da arte de tourear; impor aos municípios com atividades taurinas uma proibição ilícita de apoiar manifestações festivas com raízes profundas nas vivências das suas populações; cercear a liberdade de imprensa e impedir a RTP de transmitir espetáculos ou programas com conteúdos tauromáquicos. Esse era apenas um passo tático dos anti-taurinos que visam mais longe, proibir todas as manifestações taurinas no nosso país. De facto atacam agora a tauromaquia, devido à visibilidade que a Festa lhes dá, mas os seus fins estão ainda mais além. Visam impor a toda a sociedade mudanças de fundo, baseadas em ideais misantrópicos, no sentido de perverter e desnaturalizar a relação das pessoas com os animais e com a natureza, com todos os desequilíbrios morais, sociais, culturais e ambientais que tal implicaria.

No nosso entendimento, com o seu voto a esmagadora maioria dos Deputados da Nação não declararam adesão à Tauromaquia e aos seus valores. Quanto a isso, seguirão como antes, uns a favor, outros contra e outros ainda mais ou menos indiferentes. Mas agiram com responsabilidade, defendendo a liberdade de imprensa, impedindo que as opções de programação da televisão pública sejam determinadas politicamente. Defenderam a autonomia das famílias (no respeito pelas leis) na educação dos seus filhos e destes na afirmação da sua vocação. Deixam às comunidades locais, e aos órgãos que as representam diretamente, as autarquias, o direito a organizarem as suas festas de acordo com a sua identidade, com a sua tradição, com o seu gosto e os seus afetos.

Além disso, os Deputados agiram com a seriedade de quem tem consciência de que o proibicionismo taurino geraria um gravíssimo potencial de alteração da ordem pública nas centenas de localidades em que o Toiro de lide é amado e convertido no centro de uma Festa com profundo significado para aqueles que a fazem.

Manifestaram também sentido de justiça. Com que critérios, a não ser o preconceito e a intolerância, se podem uns poucos arrogar o direito de impor aos outros uma determinada e única maneira de pensar, de sentir e de agir?

Os aficionados aos Toiros declaram-se fartos de perseguições, insultos e vitupérios que atentam contra a sua dignidade e bom nome. Não pretendem nem procuram obrigar ninguém a gostar do que eles gostam nem a pensar como eles pensam. Respeitam quem os respeitar. Amam o toiro porque amam a bravura, a força telúrica que transporta e a beleza que a natureza lhe concedeu. Apreciam a coragem dos homens que o enfrentam num jogo de exaltação da vida e de superação das fraquezas humanas. Celebram a solidariedade e a inteligência que permite aos frágeis humanos tornar-se fortes. Exaltam a criatividade artística do toureio produzida com o risco da própria morte. Celebram a amizade e a alegria em comunhão festiva, por se sentirem parte de um todo que os une aos seus semelhantes.

Vivemos tempos em que crescem a intolerância, a violência contra as pessoas mais desprotegidas e o egoísmo. Pelo contrário, o sentido humanista da vida recua perigosamente, ameaçando escaladas que colocam em risco as bases da nossa sociedade. Deveríamos aprender com o passado, quando forças tenebrosas promulgavam proibições baseadas sobre falsas ideias de proteção dos animais, ao mesmo tempo que massacravam milhões de seres humanos. Não podemos permitir que a palavra “proibir” se sobreponha às palavras “liberdade” e “democracia”.

Os aficionados à Festa de Toiros são cidadãos iguais aos outros. Em direitos e deveres. Incluindo os deveres para com a natureza, para com os animais e, acima de tudo, para com os homens. Revêm-se na cultura tauromáquica e identificam-se com os seus valores, sem com isso deixarem de se sentir cidadãos do mundo e do seu país.

Têm consciência de que os ataques proibicionistas e as campanhas de mentira, demagogia e mistificação acerca do que é a Festa de Toiros vão continuar, se não mesmo crescer, à medida que crescem os apoios monetários estrangeiros às atividades anti-taurinas. Os aficionados prosseguirão por isso empenhados na defesa do direito à liberdade e à democracia cultural, unindo-se e apoiando todos aqueles que, nos seus postos, defendam os mesmos valores civilizacionais que são o cimento do nosso futuro.

Alagoa, 22 de julho de 2016

A Comissão Instaladora da TTP – Associação de Tertúlias Tauromáquicas de Portugal

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2018 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.