Sexta-feira, 21 de Julho de 2017
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

Campo Pequeno - 8 de Setembro -Declarações dos intervenientes

Após 9 anos de interregno, João Moura (pai), Pablo Hermoso de Mendoza e João Moura Júnior voltam ao Campo Pequeno com a intenção de reeditarem o êxito da noite de 3 de Maio de há 9 anos, quando saíram apoteoticamente em ombros, pela porta grande.
06 de Setembro de 2016 - 13:12h Notícia por: - Fonte: Taurodromo.com - Visto: 959
Campo Pequeno - 8 de Setembro -Declarações dos intervenientes

Deixamos as declarações do intervenientes:

João Moura: 8 de Setembro: “Que seja um dos grandes momentos da temporada”

João Moura, o maior revolucionário do toureio equestre dos últimos quarenta anos, está de volta esta quinta-feira, ao Campo Pequeno, praça onde, na presente temporada, já registou dois importantes triunfos (19 de Maio e 28 de Julho).

Para o cavaleiro esta é, contudo, uma corrida especial por repetir, no cenário do Campo Pequeno, o mesmo cartel da alternativa do seu filho, João Moura Júnior, que apadrinhou a 3 de Maio de 2007, na presença de Pablo Hermoso de Mendoza.

“Repetir este cartel é, para mim, motivo da maior satisfação, como pai e como cavaleiro. Como pai, pelo orgulho que tenho na carreira que o João vem desenvolvendo ao longo destas dez temporadas. Como cavaleiro, pela competição em que esta corrida está envolta. Quanto mais competição mais vontade tenho de triunfar”, afirma.

Recorda também Pablo Hermoso, que tem sempre presente a influencia “mourista” no seu toureio, como um aluno brilhante. “Assimilou tudo o que lhe transmiti, para depois poder desenvolver o seu estilo próprio e ser a maior figura mundial do rejoneio que é, não de hoje, mas de há muitas temporadas a esta parte”.

Reconhece o bom momento e o valor das suas duas actuações desta temporada em Lisboa, mas reforça: “Os outros dois foram grandes triunfos e voltar pela terceira vez é já, em si mesmo, o reconhecimento desses triunfos, mas a corrida da próxima quinta-feira, por via da competição, tem ainda maior importância”.

Formulando um desejo para esta corrida, Joao Moura gostaria que “marcasse a temporada. Que, ao terminar a temporada, o público continue a falar dela como um dos grandes momentos de 2016. Estou extremamente motivado, sei que há uma grande expectativa do público relativamente à corrida. Com este cenário, entraremos todos em praça com um único objectivo: triunfar! Proporcionar uma grande noite de toiros!”

Os cavaleiros em praça serão João Moura, o rejoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza e João Moura Júnior, que lidarão toiros e Francisco Romão Tenório. Pegam os grupos de forcados amadores de Tomar, a comemorar 60 anos de actividade, Portalegre e Aposento da Chamusca, capitaneados, respectivamente, por Marco Jesus, Francsico Paralta e Pedro Coelho dos Reis.

Pablo Hermoso de Mendoza: “João Moura é uma das referências do meu toureio”

O rejoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza, que quinta-feira actua em Lisboa, considera João Moura (pai) como uma das referências do seu toureio, um amigo e um mestre.

“João Moura é uma das referências do meu toureio. Com ele tive a oportunidade de aprender e ganhar a sua confiança, quando comecei a tourear a cavalo. Ele abriu-me as portas da sua casa. É um amigo e um mestre”, refere Pablo.

Por essa razão, para Pablo Hermoso de Mendoza “voltar ao Campo Pequeno e alternar com o João e também com o seu filho, viver em pleno uma competição directa com ambos, é um enorme prazer”.

Nesta corrida reeditar-se o trio de cavaleiros que actuaram, a 3 de Maio de 2007, em Lisboa, na corrida de alternativa de João Moura Junior e que, de então para cá, não voltou a repetir-se no Campo Pequeno.

Pablo Hermoso de Mendoza sente o Campo Pequeno como a “Catedral Mundial do Toureio a Cavalo”, considerando que, uma actuação neste cenário, constitui para qualquer cavaleiro “a responsabilidade máxima de uma temporada”.

“Pelo menos é o que sucede comigo e isso faz com que exija de mim próprio o máximo para a próxima quinta-feira”, acrescenta.

A ganadaria Romão Tenório, à qual pertencem os toiros a lidar nesta corrida, está associada a grandes êxitos, quer de Pablo Hermoso quer dos Moura.

Pablo espera que “tenham bravura e mobilidade e, sobretudo, que proporcionem espectáculo suficiente para que todos possamos desfrutar e fazer o público desfrutar também”.

E Pablo deixa ainda um desejo. “Tenho algumas actuações no Campo Pequeno em que não pude dar tudo o que tinha, por falta de colaboração dos toiros, mas faço votos para que, com os desta noite, possa apresentar a plenitude do meu toureio”.

João Moura Júnior: “A competição motiva-me!”

João Moura Júnior, que reparte cartel na próxima quinta-feira, 8 de Setembro no Campo Pequeno, com João Moura pai e Pablo Hermoso de Mendoza, encontra no factor competição um estímulo para se superar em cada corrida.

“A competição motiva-me! Para mim é um grande orgulho e uma enorme responsabilidade, poder competir directamente com as figuras que mais influenciaram o toureio a cavalo, nos últimos quarenta anos, justamente o meu pai e o Pablo”, são palavras de João Moura júnior a propósito da corrida de quinta-feira. “Mas, como sou o mais novo do cartel e, como tal o último a actuar, ainda sinto maior responsabilidade, pois, embora os tente sempre superar, consegui-lo é muito difícil”, acrescenta.

Na corrida de quinta-feira repete-se o cartel da sua alternativa. “Se foi um sonho este cartel a 3 de Maio de 2007, no Campo Pequeno, agora posso dizer que é a repetição desse mesmo sonho, pois alterno com os dois cavaleiros que considero os meus espelhos: João Moura e Pablo”, refere João Moura Junior.

Por outro lado, afirma que a ganadaria cujos toiros vão estar em praça, a de Francisco Romão Tenório, seu tio, é a sua preferida, o que, “ainda torna tudo mais especial”.

Fazendo uma retrospectiva de dez anos de profissionalismo, afirma que “muita coisa mudou”e que tem vindo a criar o seu próprio estilo enquanto cavaleiro tauromáquico. “Evoluí, artisticamente sou eu próprio, mas obviamente que a minha ‘escola’ é a que me foi transmitida por meu pai. O meu toureio tem a sua influência, e é bem visível, mas imprimo-lhe o meu selo pessoal, o meu próprio estilo”, particulariza.

João Moura Junior deseja que a corrida de quinta-feira seja “uma grande noite, uma daquelas noites mágicas a que o Campo Pequeno habituou artistas e público, uma noite na linha do que aí se viveu esta temporada com a corrida de Murteira Grave, ou com o debute de Juan Jose Padilla e a Goyesca com Morante de la Puebla. Desejo que seja uma noite para a história do Campo Pequeno e que todos nós, cavaleiros, forcados e ganadero, todos triunfemos para que 8 de Setembro fique, por muitos anos, na memória dos aficionados.

 

As expectativas de Marco Jesus, Cabo do Grupo de Forcados Amadores de Tomar, para 8 de Fevereiro

 

É de “grande expectativa” o estado de espírito do Grupo de Forcados Amadores de Tomar pela sua participação na corrida de dia 8 de Setembro, no Campo Pequeno…Palavras do seu Cabo, Marco Jesus: “Foi uma enorme alegria para todos nós quando recebemos o convite do Campo Pequeno para pegar esta corrida. Há 6 anos que não pegávamos em Lisboa. Imagine a minha satisfação e a do grupo, quando lhes comuniquei a notícia”.

Mais do que satisfação, Marco Jesus confessa mesmo estar “orgulhoso de que o grupo, a comemorar 60 anos de actividade, tenha sido convidado a participar nesta corrida. É um cartel com as máximas figuras mundiais do toureio a cavalo, pois é esse o estatuto de João Moura, Pablo Herrmoso e Moura Júnior. Um cartel fantástico. Melhor seria impossível”, acrescenta.

Esta presença no Campo Pequeno apanha o Grupo de Forcados Amadores de Tomar num bom momento, segundo o seu cabo. “No dia 20 de Agosto registámos um grande êxito em Tomar, onde pegámos, como único grupo, uma corrida de Vale do Sorraia. Já tínhamos estado muito bem em Saint Vicent de Tyrosse França) no dia 16 de Julho, com toiros de Barcial”.

Ainda sobre o momento actual do grupo, diz que este encerra, nos actuais elementos, um misto de juventude (pois a média de idades é de 25 anos) mas, paralelamente, existe uma grande maturidade e entrosamento entre os seus elementos visto que, em média, pegam juntos há seis temporadas.

Considera “óptima a ganadaria de Francsico Romão Tenório. Toiros grandes, sempre com excelente apresentação e trapío, que dão emoção à pega e que, como tal, valorizam quem se põe diante deles”.

Manifestou também o seu respeito pelos grupos que irão competir com o seu (Amadores de Portalegre e Amadores do Aposento da Chamusca). “São grupos com passado de muito respeito, onde há forcados de enorme categoria.”

Marco Jesus deseja que a corrida de 8 de Setembro seja “um grande triunfo para todos, uma grande jornada de divulgação da festa de toiros. Que o público desfrute de uma grande noite de toiros são os meus votos e, já agora, permitam-me e não levem a mal o que vou dizer…mas…que a grande pega da noite seja da autoria do Grupo de Forcados Amadores de Tomar”.

Francisco Paralta: “8 de Setembro? Desafio da maior seriedade!”

 

A corrida de 8 de Setembro no Campo Pequeno, constitui para Francisco Paralta, cabo de um dos grupos de forcados nela intervenientes, os Amadores de Portalegre, “ um desafio da maior seriedade”.

“Trata-se de actuar na primeira praça do país mas, além disso, integrado num cartel de figuras mundiais do toureio a cavalo e, no caso dos forcados, perante dois grupos (Tomar e Aposento da Chamusca), de quem esperamos verdadeira competição na arena”, refere Francisco Paralta.

“São grupos que vão ‘apertar’ connosco, mas nós cá estamos para dar a devida resposta na arena. Só quero é que ninguém se magoe…de nenhum dos grupos”, acrescenta.

No cartel desta corrida figuram os nomes dos cavaleiros João Moura pai e João Moura Júnior e do rejoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza, “tudo figuras de nível e prestígio mundial”, acentua Francisco Paralta.

Os toiros para esta corrida pertencem a Francisco Romão Tenório, uma ganadaria de prestígio, com o efectivo sediado na Herdade da Tavares, em Arronches, distrito de Portalegre.

“É sempre importante pegar os toiros de uma ganadaria como esta. É da nossa região, e o seu proprietário é uma pessoa pela qual nutrimos a maior estima e amizade” lembra o cabo do grupo de Portalegre, que chama também a atenção para o que espera do comportamento das reses em praça:

“São toiros sempre volumosos, com presença e, ou se está bem e decidido com eles, ou as coisas passam a complicar-se. São francos de investida, bravos e que vêm pelo seu caminho, mas não admitem indecisões ao forcado”.

Apesar de o grupo vir de uma série de lesões, Francisco Paralta está esperançado na recuperação total dos forcados lesionados “de modo a que nos apresentemos no Campo Pequeno na máxima força”.

Endereçando os parabéns ao Grupo de Tomar, pela comemoração dos 60 anos de actividade, Francisco Paralta faz votos para que o seu grupo esteja ao mais alto nível, nível esse que espera que seja alcançado por todos os intervenientes na corrida. Para tal, recorda o voto clássico entre as gentes do toiro: “Que Deus reparta a sorte!”.

 

Pedro Coelho dos Reis: “É um orgulho pegar uma corrida com três figuras mundiais do toureio equestre”

 Cabo do Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Chamusca, desde 2011, Pedro Coelho dos Reis considera que, pessoalmente e para o seu grupo, é um orgulho pegar a corrida do próximo dia 8 de Setembro, no Campo Pequeno, “em cujo cartel figuram três nomes que são a expressão máxima do toureio a cavalo, a nível mundial”.

Na arena da praça de toiros de Lisboa, considerada a “Catedral Mundial do Toureio a Cavalo”, vão estar presentes os portugueses João Moura (pai) e João Moura Junior e o rojoenador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza.

Pedro Coelho dos Reis refere-se aos grupos de forcados com os quais alternará (Amadores de Tomar e Amadores de Portalegre) como dois grandes grupos, por onde têm passado grandes forcados e aproveitou para endereçar “os mais sinceros parabéns e votos de muitas felicidades ao grupo de Tomar”, que esta temporada comemora 60 anos de actividade.

O Cabo considera que o seu grupo está “numa fase de transição geracional”, com os novos elementos a serem muito bem enquadrados pelos mais velhos, no que se refere, não só à vivência especial que só por si constitui o facto de se ser forcado, como no que respeita à filosofia do próprio Aposento da Chamusca”.

“A heterogeneidade, que resulta de um leque etário bastante alargado, acaba por reforçar o processo formativo dos elementos mais novos. Acabamos todos por ganhar quando cruzamos experiências e mentalidades diferentes e este processo está a ser interessantíssimo, porque nos fortalece a coesão”, acrescenta.

Sobre os toiros de Francsico Romão Tenório lembra tratar-se de uma ganadaria “de toiros muito sérios, que transmitem muito no momento da pega e que o grupo tem de estar muito bem a ajudar, quando o toiro chega às tábuas, pois aí os derrotes são de extrema violência e as coisas podem complicar-se…”.

Pedro Coelho dos Reis espera que o Campo Pequeno encha pois, afirma, “é importante em função do momento que a tauromaquia atravessa em Portugal ter praças cheias”, mas admite que, “com um cartel de máximas figuras como este, não só a praça encherá como o toureio ficará altamente dignificado”.

“Espero que, em função das actuações de cavaleiros e forcados e do desempenho dos toiros, o público saia satisfeito e com vontade de regressar”, diz o Cabo do Aposento da Chamusca que termina com o voto clássico: “Que Deus reparta a sorte!”

 

 

Francisco Romão Tenório: “Esperança e confiança” são os seus sentimentos para 8 de Setembro, no Campo Pequeno

Esperança e confiança são os sentimentos que o ganadero Francisco Romão Tenório demonstra face à corrida de 8 de Setembro, no Campo Pequeno, para a qual enviará um curro de toiros da sua divisa.

Esperança, na qualidade dos toiros que apartou para essa noite. “Que sejam tão bons como os das corridas já lidadas testa temporada”. Confiança, “pela experiencia que os artistas que os vão lidar têm, não só do encaste Murube-Urquijo, como experiência na lide de toiros da minha ganadaria”, acrescenta.

Embora alertando para o risco que constitui fazer antevisões sobre o comportamento do toiro em praça, sublinha o facto de a sua ganadaria ser uma das preferidas pelas grandes figuras do toureio a cavalo da actualidade. “É muito gratificante para mim, enquanto ganadero, saber que as grandes figuras da actualidade gostam de tourear os meus toiros, pelos grandes êxitos que lhes têm proporcionado”.

Falando especificamente dos toiros para 8 de Setembro, Francisco Romão Tenório diz que “estão bem no tipo do respectivo encaste (negros de pelagem, ligeiramente bragados, menos cabanos do que por vezes sucede com os ‘Murube-Urquijo’) com caras muito harmoniosas e pesos que, por certo, lhes permitirão boa mobilidade”.

Faz ainda votos para que saiam “bravos e nobres”.

O ganadero acredita que os seus toiros poderão, mais uma vez, proporcionar momentos muito agradáveis, tanto para aos cavaleiros como para o público e manifesta o seu orgulho em vê-los lidar por figuras da máxima dimensão como João Moura, Pablo Hermoso de Mendoza e João Moura Junior.

Francsico Romão Tenório deseja igualmente “uma noite de grande êxito para os grupos de forcados amadores de Tomar, Portalegre e Aposento da Chamusca”, endereçando ainda os seus parabéns ao grupo de Tomar pela comemoração dos seus 60 anos de actividade.

A ganadaria de Francisco Romão Tenório procede da de António Barbeiro e foi adquirida pelo seu actual proprietário, no ano de 2000. O seu efectivo inicial, formado por reses de Camarate e Gama, foi sendo progressivamente eliminado e substituído por vacas e sementais de Los Espartales, provenientes de Murube-Urquijo, constituindo assim o seu encaste actual.

Com um efectivo de cerca de 100 vacas de ventre, a ganadaria pasta na Herdade da Tavares, no concelho de Arronches, tendo a sua antiguidade sido estabelecida com data de 13 de Setembro de 2001, na Moita do Ribatejo.

 

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2017 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.