Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Taurodromo.com A tauromaquia mais perto de si.

Júlio Aparício Martínez, poderoso e com casta.

Recordando o grande toureiro de época Júlio Aparício
10 de Junho de 2012 - 12:58h Pedaços de história por: - Fonte: - Visto: 1079
Júlio Aparício Martínez, poderoso e com casta.

Julio Aparício Martínez, nasceu em Madrid em 13 de Fevereiro de 1932.

Filho do novilheiro e bandarilheiro Julián Aparício Nieto, apresentou-se pela primeira vez no dia 6 de Maio de 1948 em Puertollano, Cuidad Real tendo nesse mesmo dia alcançado o triunfo e cortado três orelhas.

Apresentou-se na sua Madrid natal em 19 de Junho de 1949, tendo tomado a alternativa em 12 de Outubro de 1950 na Praça de Toiros de Valência, lidando o toiro “Farruquero” da ganadaria “Urquijo” tendo cortado 4 orelhas e um rabo.

Foi seu padrinho de alternativa Joaquin Rodríguez “Cagancho”, tendo também tomado a alternativa nessa mesma tarde Miguel Baéz “El Litri”. Confirmou essa mesma alternativa em 19 de Maio de 1951 na Praça de Toiros de Madrid, pelas maos de Manolo González Cabello e “El Litri” lidando o toiro “Cachifo “ de Moreno Urquijo.

Toureou em vários países do Mundo, entre os quais o Líbano ( 3 vezes ), México e Américas, tendo saído pela porta grandeem Las Ventassete vezes.

Granjeava de grande popularidade em França, Barcelona, Madrid, todavía em Sevilla nunca conseguiu verdadeiramente o nível de ”afición e cariño” outras praças.

O seu toureio era poderoso, com casta, elegante, dominador com estilo e qualidade tendo-se retirado sem nunca ter recebido um aviso.

Sofreu gravissimas colhidas ao longo da sua carreira, tendo-se retirado das arenas em 1969.Dedicou-se à criação de gado bravo e manso e à agricultura após a sua retirada.

É pai do matador de toiros Júlio Aparício Díaz e de Kika Aparício, fruto do seu casamento com a bailarina de flamenco Malena Loreto.

 

 

 

 

Desenvolvido por PrimerDev Lda
Copyright ©2007-2017 Taurodromo.com, Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo, sem a devida autorização.